Com pré-infarto, idoso espera por atendimento especializado; UPA explica situação

Aflita, a neta de Januário Conceição Barbosa fez um apelo ao programa Nossa Voz, na manhã desta segunda-feira (13). “Desde quarta-feira (7) que meu avô está na fila de espera sofrendo, ele não pode mais esperar”, disse Valdenir Barbosa.

Januário Conceição Barbosa, de 80 anos, espera por um atendimento cardiológico. Segundo Valdenir, o avô sofreu pré-infarto e foi encaminhado para a UPA de Petrolina, mas até o momento ele continua sem atendimento hospitalar, na fila de espera da unidade de saúde.

A produção do programa Nossa Voz entrou em contato com a assessoria da UPA para saber detalhes sobre o caso. Ao Nossa Voz a assessoria explicou que lá a assistência clínica é de urgência e emergência, ou seja, não faz parte da estrutura das UPAs dispor de especialistas. Confira na íntegra nota da unidade.

Nota de Esclarecimento

A Unidade de Pronto Atendimento 24h de Petrolina ressalta que o seu perfil é de assistência clínica em urgência e emergência, ou seja, não faz parte da estrutura das UPAs dispor de especialistas em seu serviço. O atendimento especializado, portanto, deve ser regulado para a rede hospitalar.

O papel das UPAs, nestes casos, é o de estabilizar o paciente e inseri-lo na regulação, como foi feito com o senhor Januário Conceição Barbosa. Vale ressaltar que a gestão da regulação (e a consequente disponibilização das vagas) é de competência da Central de Regulação Interestadual de Leitos (CRIL).

A UPA cumpre firmemente o seu papel na solicitação das vagas e alimentação diária do sistema de regulação, enquanto presta assistência ao paciente.

Com relação ao retorno às famílias sobre o caso clínico dos pacientes da sala vermelha, a coordenação reforça que é feito diariamente. São abertas duas visitas, às 11h e às 17h, onde os familiares podem conversar com a equipe médica e o serviço social.

Na evolução do paciente em questão constam visitas diárias da família. Nesta segunda-feira, inclusive, foi disponibilizado aos parentes um relatório médico, cuja entrega foi protocolada.

Em tempo, a Unidade reforça o seu compromisso de buscar a regulação do paciente junto aos órgãos competentes; assim como reitera a sua missão de prestar uma assistência resolutiva, humanizada e de qualidade à toda população.
(Por: Iara Bispo/ Nossa Voz)