Pais de Beatriz investigam se policiais conversaram com assassino no local do crime

Numa transmissão realizada no perfil @casobeatriz no Instagram, Lucinha Mota, revelou a suspeita de que os policiais teriam conversado com o assassino da sua filha, Beatriz Angélica Mota, ainda na cena do crime. A afirmação foi feita na noite de ontem (30). A desconfiança, de acordo com a mãe da menina, veio após a análise de uma foto encaminhada à família, porém, uma nova análise será feita antes de expor o material ao público.

“Ainda preciso analisar com alguns responsáveis, ouvir especialistas para essa divulgação, mas não vou me calar, estou avisando que eu vou mostrar”, reforçou.

Lucinha ainda afirmou que a imagem em questão foi encaminhada por um colaborador que já havia repassado outros materiais aos pais de Beatriz. Caso o contato entre policiais e o assassino se confirme, ela buscará novas alternativas para elucidação do crime.

“Nós temos uma foto que mostra possivelmente policiais falando com o assassino depois do crime. Se ficar comprovado eu vou dizer que a polícia civil de Pernambuco não é só incompetente, mas compactua com isso de alguma forma. Então, a polícia internacional vai entrar. Foi uma pessoa que me enviou essa foto, a mesma que me encaminhou um vídeo que mostra os últimos momentos de Beatriz com todas as pessoas que desceram para o bebedouro do Colégio Auxiliadora”, apontou.

Beatriz Angélica Mota foi morta em 15 de dezembro de 2015, durante uma festa de conclusão do ensino médio, num colégio particular de Petrolina.